Investimento de R$ 4 bilhões

Sem dúvida, há grandes expectativas para o início da produção da montadora GWM no Brasil. Afinal, com essa iniciativa, os modelos ficarão mais acessíveis, devido à ausência de impostos relacionados aos custos de importação. Além disso, quem já é cliente da marca também se beneficiará, visto que a disponibilidade de peças será maior, reduzindo o tempo de manutenção.

Num primeiro momento, a fabricante tinha planos de iniciar a produção de veículos, no interior de São Paulo, em março do ano que vem. Contudo, uma vez que priorizou estudos profundos sobre os perfis e hábitos dos motoristas brasileiros, decidiu adiar a inauguração da plataforma para 1º de maio de 2024.

Nesse sentido, a fábrica, que pertencia à Mercedes-Benz, já está praticamente pronta para desempenhar suas atividades após passar por um período de adaptações. Por exemplo, esteve recebendo os equipamentos adequados para a produção dos veículos da montadora GWM.

A fase inicial da produção nacional receberá um investimento expressivo de R$ 4 bilhões, destinados a estratégias, como:


  • Criação de cadeia de hidrogênio verde

  • Contratação de cerca de 2 mil funcionários

  • Desenvolvimento da tecnologia híbrida-flex


Tal investimento abrangente reflete o comprometimento da empresa em estabelecer uma presença robusta no mercado nacional, investindo não apenas na produção, mas também em soluções tecnológicas avançadas e práticas sustentáveis.


100 mil veículos em 10 anos

Com toda a certeza, a montadora GWM valoriza significativamente o mercado brasileiro, apresentando planos ambiciosos para a sua permanência. Só para ilustrar, seu objetivo é fabricar 100 mil veículos em 10 anos, concluindo o ciclo de investimento de R$ 10 bilhões com recursos próprios no território nacional.


Produção de grande porte

De acordo com James Yang, presidente da GWM para as Américas, a fabricante surgiu com a produção de picapes. Não é por acaso que se posiciona no topo do segmento na China.

Consequentemente, a produção no Brasil terá início com veículos de grande porte. Por exemplo, além do Haval H6, que já conquistou a garagem de vários motoristas, a fábrica de Iracemápolis irá produzir a picape Poer. Conforme Yang, “esta picape híbrida flex será a nossa primeira contribuição para a reindustrialização que o Brasil almeja. Queremos substituir nossos veículos importados por modelos fabricados aqui”.

Também será produzido um SUV inédito, ainda sem muitos detalhes. No entanto, a GWM já informou que tanto a Poer quanto este novo veículo receberão a mesma plataforma derivada do chassi do Tank 300. Ainda, contarão com 2 motores elétricos, um em cada eixo, e um motor 2.0 turbo flex, este último desenvolvido no Brasil.

Além disso, a montadora possui planos sólidos para a eletrificação no país, evidenciando a sua intenção de desenvolver o mercado automotivo sustentável por aqui. 


Gosta da ideia de comprar um modelo elétrico com as vantagens da produção nacional? Continue acompanhando o blog da Jorlan-ev e fique por dentro dos próximos passos da montadora GWM e seus lançamentos.


Referências:

AutoData

WebMotors